segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Três Fronteiras - um novo rumo

(oficineiro José)


Conversas (não a mostra) sempre são boas pra matarmos alguns bichos e fazermos renascer outros.


Sexta foi um dia de conversa entre as equipes do Espaço Educativo e do Três Fronteiras. Entre cobras e bichos de madeira, todos saíram vivos.
E, com certeza, as duas oficinas que foram realizadas lá hoje herdaram um pouco da purificação desse momento.

Ambas foram com a ESCOLA URUGUAI, com a 6ª série.

A primeira
foi com parte da turma, antes da mostra. A tarefa deles era a de, divididos em três grupos de exploradores, desbravar um país chamado Tríplice Fronteira. Um dos grupos revelaria para o mundo a moeda deste local, seu nome, seu valor, etc. O outro publicaria um dicionário com as palavras do local, nomeando o idioma, etc. O terceiro delimitaria o território, a vegetação, a população.
A conexão da turma foi fundamental para que o trabalho saísse melhor do que o esperado. Tivemos um país em forma de triângulo, com 65 habitantes, com apenas um rio e cuja fronteira fica no meio do país. O idioma deles é o ILIG EMIAJ (leia ao contrário) e as palavras foram baseadas na inversão das palavras em português também. A moeda é o GAMA, é feita de prata e 1 GAMA vale 1000 reais.

A segunda oficina, com a outra parte da turma surgiu logo após o último trabalho que eles visitaram, o da Minerva Cuevas. Discutiu-se sobre a presença das empresas na nossa vida, tendo como exemplo-mor a Coca-Cola. Aí se fez referência a outro trabalho da Minerva, aquele em que ela modifica rótulos de produtos e remarca no supermercado. A tarefa aqui era a de cada grupo pensar em uma marca, logomarca, slogan ou campanha que gostaria de modificar a fim de mudar a imagem que a empresa transmite.


Foi mesmo muito bom!
Obrigado à turma pelo empenho.
Às professoras, por trabalharem junto.
À Cecília, pela ótima mediação.
À Vanessa, que pegou a turma depois da oficina (como foi?).

Um comentário:

Estêvão disse...

Parabéns Zé! Achei muito bacana. E não precisa me explicar onde tá a relação com a arte, eu a encontro sozinho. Um abração!